REBELIÃO

Light Novel

Cap. 02

Você está acessando esta página de um tablet ou ipad?

Este site foi projetado para dar uma boa experiência de leitura para aparelhos celulares. Neste caso te convido a visitar a página novamente por meio de um aparelho celular e aproveitar ao máximo a diversão.

Você está acessando esta página de um notebook ou computador?

Se a resposta for sim, eu te convido a abrir esta mesma página em um aparelho celular para aproveitar ao máximo a diversão. Este site foi projetado para ser lido em aparelhos celulares, por isso a página fica fora de estrutura para computadores e notebooks.

Uma segunda opção é clicar na tecla F12 do seu teclado e deixar a visualização de tela em posição de celular.

Não demora muito e Zira começa a resmungar em voz alta “Aquela gata desprezível! Já deve estar bem longe. Logo vou sair desta merda!”.

Ao ouvir os resmungos da prisioneira, Suna começa a debochar dela “Quem você pensa que é? Tá achando que Óregon é igual as outras prisões encardidas que você já esteve? Sua idiota! Eu não quero mais te ouvir falar mal da legionária Keinara!”.

Zira percebe no tom da voz de Suna o como ela admira Keinara, e que provavelmente deseja um dia ser tão boa quanto ela. Está é uma ótima oportunidade para criar um clima desagradável, então começa a cuspir frases ardilosamente calculadas “Olha, olha… O que nós temos aqui? Uma puxa saco do fã clube das desprezíveis! Você não se cansa de ser tão medíocre?”.

Suna se surpreende com aquela petulância toda e seu sangue começa a ferver “Medíocre?! Você é muito desaforada mesmo, hein! Você pensa que eu não posso te punir só porque diferente de você eu tenho princípios?”.

A raiva de Suna fez eriçar os seus pelos e uma bela carranca se materializou em seu rosto. Era uma barragem de ira que estava para arrebentar. Por outro lado, Zira estava satisfeita com o desiquilíbrio que conseguira causar. Este era o seu objetivo, pois uma pessoa emocionalmente instável é um excelente alvo de manipulação e por isso mesmo seria fácil cair em uma armadilha.

Zira sorri “Exatamente! Eu sei bem que posso falar o que eu quiser. E você? Você precisa ficar calminha, seguindo todos os malditos protocolos.”. E o pior era que ela não estava errada. As leis de Óregon são bem restritivas quanto ao abuso de poder. Nenhum legionário pode atacar um outro ser a menos que este o tenha atacado primeiro.

Ataques verbais não contam como ataque para revide, por isso mesmo ela continua a toda pompa “Porque é assim que essa maldita ordem lida com as coisas! Promessa de paz, ordem e não violência… mas na verdade, todos vocês não passam de uns fantoches! Não possuem identidade nenhuma e ainda por cima, servem a governantes hipócritas!”

“CHEGA!” Suna, instintivamente, lança um tapa no rosto de Zira que ri satisfeita. Essa era a sua vida, criar caos e aproveitar o momento. Divertia-se com situações como a que esta prestes a acontecer.

Após o seu ato impensado, Suna fica inerte em total espanto. Ela sabia que agira muito mal e isso lhe resultaria em grandes problemas.

Sentiu-se tão atordoada que fixou os olhos nas próprias mãos esquecendo-se de que estava diante de uma assassina perigosa.

Este era o momento previsto pelo mal. Rapidamente Zira acertou um chute no estomago de Suna, jogando-a para longe.

Com o chute, o controle das algemas quebrou-se, e em seguida elas se desativaram  caindo pesadamente no chão.

“Agora, eu estou livre! Vou meter o pé deste lugar!”. Zira já se preparava para dar o próximo passo em direção a liberdade, mas…

Você já ouviu falar no ditado “O que vem rápido, vai rápido”? E assim foi.

Estranhamente mãos invisíveis estavam apertando o pescoço da assassina sufocando-a.

“Mas, o que q…?”.

Siga as Novidades:

Light Novel Registrada

Todos os direitos reservados por lei a DMorje Desenhista e Escritora.

É Proibido fazer cópias inteiras ou parciais do conteúdo deste site com direito a punição judicial.